sábado, 14 de março de 2009

Experiência Missionária na África


Segue abaixo, o relato do trabalho realizado na África, pelas Irmãs de Jesus Bom Pastor.

O texto foi escrito pela minha amiga pessoal, Irmã Sônia de Fátima Batagin, para um jornal de uma paróquia da cidade de São Paulo, e para um jornal local de minha cidade e cidade natal da Irmã Sônia, Capivari-SP

Como Dom Pedro Casaldáliga diz, a humanidade tem uma dívida com a África.

E o trabalho realizado por essas irmãs com certeza é um pouco do muito que ainda pode ser feito por esse continente.

Leiam e reflitam!

"Partilho com vocês urn pouquinho de nossa experiência pastoral em nosso chão africano do Gabão. Lembro a você em primeiro lugar que a África é urn grande continente, podemos dizer uma mãe com 53 filhos.E cada país comporta sua cultura própria, seus costumes, valores, ritos...

Nós fazemos parte geograficamente da África Central.

Nossa congregação está inserida, presente na vida dessa diocese de Franceville há 9 anos, e há um ano na arquidiocese de Libreville. Somos quatro irmãs, três brasileiras e uma italiana no momento.

Nos engajamos na saúde popular, escolas, catequese, evangelização geral. Cheguei lá em janeiro de 2004. Neste tempo já vi muita coisa acontecendo debaixo do céu. Visitamos os vilarejos com intensidade, o povo da zona rural perdidos na floresta, porém com uma fé inabalável.

Um valor belíssimo religioso na vida cotidiana é a oração da manhã, onde o povo vem à igreja rezar a liturgia das horas, a preciosidade dos salmos e em seguida participar da Santa Missa.Imagine aos domingos como é a celebração! É uma festa celebrando a memória de Jesus com seus cantos locais em língua "fam", "zembi", "aduma", e uma infinidade de línguas... e as danças na procissão de entrada e ofertório, etc...

Os corais têm uma missão particular de animar a comunidade eclesial. A Bíblia ainda não chegou nas mãos do povo. É um material caro e exige trabalho de conscientização para poder providenciar, trazendo de outros paises de língua francesa. Quem sabe o sínodo dos bispos que aconteceu em Roma sobre a Palavra no mês de agosto do ano passado desperte para uma campanha solidária voltada para o povo gabones católico. É a organização aliança bíblica que favorece a entrada de alguns exemplares no país, isso porque o valor do transporte é muito caro.

O presidente está no poder há mais de 40 anos. O país graças a Deus não vive em guerra como muitos outros países vizinhos.

Na cidade de Libreville capital do país, encontramos uma população estrangeira vinda de vários países em guerra, presos políticos, agora refugiados.Faz lembrar a primeira carta de Pedro, escrevendo pra estes homens e mulheres fora de seu país, animando a fé e a esperança de um dia poder voltar e reconstruir sua identidade pessoal.

Lá começamos um projeto de piscicultura com vários jovens que antes eram desocupados, hoje são co-responsáveis para fazer acontecer uma experiência nova, lutando contra a fome e a pobreza. Os jovens gaboneses vivem em continua migração porque dependem de seus familiares para poder comprar o material escolar.Eles estão fora do mercado de trabalho.

Esta experiência é um combate porque exige perseverança constante de encontrar comida para alimentar os peixes, as folhas de mandioca, e outras, exigem vencer os oportunistas e aqueles que são do contra, e ter força de vontade pra levar a serio o trabalho iniciado. É uma experiência bonita porque fazem a comunhão de trabalho e de amizade solidária lutando juntos pela mesma causa de ter vida e vida em abundancia.

Todo o trabalho, hoje três lagos de 9m por 21 m, nada de maquina, tudo manual mente, suor, suor. Para dizer que é possível viver juntos urn objetivo pela vida solidária, comer os frutos do trabalho sem pagar nada como dizia o profeta Isaias.

Ser missionária e viver urn pouquinho o desafio da encarnação que somente Jesus pode viver plena mente, viver mergulhada na cultura do outro e aculturar-se devagarzinho inclinando os ouvidos para aprender com eles os valores da fé. Nos aproximamos na ponta dos pés na cultura de nossos irmãos africanos.E ali estamos como testemunhas sendo presença de escuta, aprendendo com eles e, felizes e convictas de que não importa aquilo que faço, mas importa como faço e sem pretensões.

Reze por nos Pastorinhas, irmãs de Jesus Bom Pastor para que sempre mais possamos nos encorajar e que urn dia uma multidão de jovens possam preparar-se para poder também partir em terras estrangeiras oferecendo o amor, a paixão de Jesus a tantos...Que esperam pela palavra de Deus.

Um grande abraço à você.

Irmã Sônia de Fátima Batagin
Irmãs de Jesus Bom Pastor – Irmãs Pastorinhas"



Se você desejar fazer contato com a Irmã Sônia, me envie um e-mail solicitando o contato dela, através do formulario de contato ao lado.

2 comentários:

CVJ disse...

Testemunho interessante.

já te linkei no meu blog.
penso que podemos partilhar algmas ideias e até alguns textos.

coragem e felicidades

leonel

Gugu disse...

Bela história, gostei! =)

Apenas pessoas que têm muito Deus no coração devotariam suas vidas a um serviço tão sublime.

Parabéns!

Grande Abraço!